quarta-feira, 30 de outubro de 2013

DIPRIMO



A reza não livra do sofrer,
Se não é capaz de ajoelhar;
Pedir, sim, perdão pelo que fez.
O mal que causou a sua rudez,
Caráter do mal e estupidez.
Jamais foi capaz de imaginar,
Que um dia iria se abater,
E que o retorno iria colher,
Na volta de vis ações, rojar.


Google+ Followers