sexta-feira, 5 de outubro de 2012

PRISIONEIRA DE MIM


PRISIONEIRA DE MIM

Nos cômodos trancados nada se ver
Difícil respirar o próprio ar...
De olhos abertos ou fechados, nada tem
Se é dia ou noite quem saberá?
Abrir os braços abraçar a si próprio
É a única coisa próxima que há,
Prisioneira de si própria vai indo;
Sem sentimentos, todos são vagos,
O sorriso que era sua identidade,
Perdeu, só resta o choro doído,
Perdida ali naquela prisão.

MENDUIÑA



 


Google+ Followers