sexta-feira, 19 de setembro de 2014

O TERCEIRO OLHAR


O pior da ignorância é o camuflar da própria,
Onde seu agente quer se passar por sábio.
Ora, pode ser uma atitude imprópria,
Onerosa, pois a verdade não sai só do lábio.

Ontem e hoje em somatória.
Obtusas ou perspicazes ações e expressões,
Oferecem a leitura comprobatória.
Oceânicos fatos em reais questões.

Obras concretas falam de cada vida.
O produzir é coisa concreta.
Oleiro bom ou ruim tem obra parida.
Ordenar valor é outro olhar que injeta.

Ótimos, todos se julgam mesmo...
Outrora, hoje e sempre; assim será.
Ora, é andar a esmo...
Olvidar que, as honras outro receberá.

Orbitar, malograr caminho de outro,
Ouvindo a voz da ignorância é provar
Obstrução do próprio caminho, não doutro.
O escolher cabe a um terceiro olhar.

Obras são milhares,
Outro é quem vai determinar,
O que ou quem, em ares,
Oficialmente, lá, vai chegar.

PoeRima estilo poético criado por Fernanda Xerez


Google+ Followers